Entrevista 676 com a Banda Austríaca Anderwelt


A Tempestade Conservadora chega a sua Entrevista 676 com a Banda Austríaca Anderwelt.Ela pratica um intenso e bem técnico Post Metal para nós.Um som bem instrumental,mas bem atmosférico.Algo bem intenso de se acompanhar.Além disso, a banda nos apresenta seu segundo álbum intitulado como 2084.A banda tem essa formação:Philipp Wintersberger como Vocalista,Simon Öller como Guitarrista,Dominik Königsdorfer como Baixista,Andrés Pilsl como Violoncelista e Thomas Kössler como Baterista.Philipp e Simon responderam as nossas humildes perguntas.As quais,vocês vão acompanhar em todas as suas emoções.Mas,antes disso,vamos a uma música deles.

TC 1:Apresentem a banda pra nós?

Anderwelt:Desde 2016 nosso line-up é Phil Wintersberger nos Vocais,Simon Öller na Guitarra,Dominik Königsdorfer no Baixo,Andreas Pilsl no Violoncelo,Thomas Kössler na Bateria.Nana Falkner nos Vocais Convidados.Os membros de 2013 a 2016: Markus Steinberger na guitarra e Lex Dornstauder na bateria.Os membros do Anderwelt tocaram em bandas como In Slumber, Olemus, Reap, Kain ou Back Then, que são bastante conhecidas na cena musical austríaca.

TC 2:Falem sobre o trabalho de composição em 2084?

Simon Öller:Levamos quatro anos de trabalho até que nosso segundo álbum “2084” fosse lançado. O conceito é baseado no romance “1984” de George Orwell, que nos fascinou pela atmosfera ameaçadora e pelos paralelos com o mundo como o conhecemos hoje. Tentamos converter essa atmosfera em música. É estranho, mas os sentimentos que você pode ter durante o perigo ou na depressão não são apenas atormentadores, mas às vezes estranhamente bonitos. Portanto, você ouve longas partes calmas e uma voz feminina angelical, bem como partes agressivas e ásperas em “2084”. Acho que nosso violoncelista Andi trouxe esse espectro sonoro à perfeição e não apenas com seu violoncelo, mas também no processo de mixagem.

TC 3:A banda escolheu algum single pra este álbum e o porque desta escolha?

Simon Öller:Simon: O primeiro single foi Pax, porque planejamos produzir um videoclipe para essa música. Mas este não será o último vídeo de “2084”, outros roteiros também estão em andamento.

TC 4:Qual tema lírico do álbum?

Philipp Wintersberger:Ficamos muito próximos do conteúdo do livro de Orwell, e aqueles que estão muito familiarizados com ele podem reconhecer várias passagens altamente semelhantes. No entanto, tentamos atualizar o texto para se adequar melhor às expectativas atuais do futuro. Por exemplo, falamos sobre “grupos” em vez das “partes” presentes no original. Isso porque talvez fosse normal que as pessoas que viviam no início ou meados do século XIX fossem membros de um partido, pelo menos nos países europeus. Até eu me lembro de declarações dos meus pais ou avós, de que queriam arranjar um determinado emprego, mas isso não era possível porque não eram membros do partido. Hoje, os partidos desempenham um papel menos importante na sociedade em geral, mas ainda assim as pessoas se identificam com os outros com base em sua visão de mundo e por exemplo, com aqueles que residem na mesma “bolha de informação”. Optamos apenas por resumir essas bolhas com o termo “grupo”. Outra modificação é que incluímos uma mulher como substituto do “irmão mais velho”. Esperamos, ou melhor, acreditam que dado que ainda faltam 64 anos que a discriminação com base no que seja que será lembrado, assim como lembramos as estupidez de nossos ancestrais hoje. Mas não acredito que tais mudanças nos impeçam de más realidades no futuro, porque no final, temos que aceitar que somos todos apenas animais tolos que por qualquer razão mágica podem falar e são um pouquinho mais inteligentes do que outras espécies.

TC 5:Eu gostei bastante,mas porque foi usado o violoncelo?

Simon Öller:O fato de termos um tocador de violoncelo resultou quando estávamos procurando um produtor para nosso álbum de estreia “Schattenlichter”. Niki, nosso baixista perguntou a seu ex-colega de escola porque ele sabia que esse cara já fez uma música de filme muito profunda. Sabíamos que ele se encaixaria em nosso time, mas não acreditávamos que alguns anos depois produziríamos tal álbum! Obrigado Andi, a propósito!

TC 6:O que a Anderwelt tem de diferente de suas bandas anteriores?

Simon Öller:Simon: Além da relação especial entre os membros da banda, o processo de composição das músicas é muito diferente, eu diria. No começo geralmente não começamos com riffs de guitarra, mas com tópicos de letras. Depois de traçar um tema principal, a colaboração entre nós é algo especial, vai para um nível mais profundo de certa forma.

TC 7:De que forma o livro 1984 influenciou a banda?

Philipp Wintersberger: Isso nos influencia de uma maneira que construímos o conceito do álbum em torno do livro. No entanto, temos que admitir – usar um conceito diferente para nosso álbum não teria resultado em uma atmosfera totalmente diferente quando se trata da música que podemos encontrar neste álbum.

TC 8:Existe alguma banda dentro do seu estilo que vocês não gostam?Se sim,qual e porque?

Philipp Wintersberger: Na verdade, eu não me consideraria um especialista em gêneros musicais como pós-rock ou pós-punk. Portanto, é difícil para mim nomear uma banda. Mas pelo menos para mim, algumas dessas bandas me deixam entediado. Criar longas composições é, até certo ponto, como ciência, quando se trata da questão de como entreter o ouvinte por mais de cinco minutos. Ter o violoncelo é uma vantagem para nós, pois permite-nos nesse sentido, pois permite-nos tirar o máximo partido das passagens lentas e calmas. Nesse sentido, eu não compararia Anderwelt com parentes de gênero típicos. Além disso, rejeitamos bandas racistas, pois não gostamos de nenhum tipo de exclusão social. Mas isso não significa que rejeitamos brincar com tabus. Todos nós amamos o Slayer !

TC 9:Porque a banda tem esse nome?

Simon Öller:Simon: Nosso objetivo é convidar todos os ouvintes para uma viagem a outro mundo, então decidimos nos chamar de Ander o que você deve entender como outro e welt que você deve entender como mundo! Na verdade, é um nome alemão. Passamos por uma fase em que pensamos em usar vocais em alemão, mas nem todos ficamos satisfeitos com esse experimento, então mudamos de volta para as letras em inglês.

TC 10:A banda conhece e gosta do Metal Brasileiro?

Simon Öller:Claro, há um dos nossos favoritos de todos os tempos, SEPULTURA! Eu ganhei uma fita do Sepultura quando tinha 11 anos e então vim para o metal! Escutei de cima a baixo e depois tentei aprender esses riffs de guitarra matadores !
Philipp Wintersberger: Claro, os irmãos Cavalera foram meus heróis pessoais quando eu era jovem. Na minha primeira banda, integramos um didgerido para homenageá-los, e até tentei aprender português. Curiosamente, ainda não cheguei ao Brasil, mas isso certamente acontecerá algum dia no futuro. A propósito, tenho um capacete amarelo no meu carro .{Nota da TC:O Dono da Página acaba de se emocionar com tal referência pois ele é um grande fã de Ayrton Senna}

TC 11:Como a banda chegou na Eletric Fire Records?

Simon Öller:Nosso booker Konstantin do Chat Noir Booking perguntou a seu amigo Tom, da EFR, se ele nos adotaria como parte de sua família Electric Fire. Estamos orgulhosos por ele ter dito sim!

TC 12:Além da música,o que a banda adora fazer?

Simon Öller:Construir uma casa, pintar, trabalhar com pessoas com deficiência, corretagem de seguros, pesquisa de automóveis e nosso baterista é fazendeiro e adora dirigir com escavadeiras!

TC 13:Qual a ideia da capa do álbum?

Simon Öller:Nosso violoncelista Andreas Pilsl também atua como pintor e desenhista, ele fez nossa arte de capa e retratou o rosto de “irmã mais velha” que você pode encontrar em nosso videoclipe “Pax”. Algumas idéias foram desenvolvidas em nossa sala de ensaios, outras em casa. Sobre a sua pergunta sobre a ideia por trás da arte: algumas coisas vão ficar em segredo .

TC 14:Qual a ideia do single Trinity Of Decay?

Simon Öller:ToD surgiu junto com o cineasta James Quinn. Este projeto foi uma experiência que correu muito bem! Enquanto trabalhávamos na música, James escreveu um roteiro simultaneamente e, em seguida, tudo foi montado.

TC 15:A banda acredita que este álbum é conceitual?Sim ou Não e Porque?

Simon Öller:Simon: Sim, tentamos trabalhar nesse tema tanto musicalmente quanto liricamente. Acho que os ouvintes vão notar.

TC 16:A banda sentiu diferenças no som e na parte lírica entre Schattenlichter e agora em 2084?

Simon Öller:Simon: Como em 2084, Schattenlichter lida com as profundezas da natureza humana, em nosso álbum de estreia em homenagem ao romance publicado em 1977 de Richard Adams, The Plague Dogs. Os dois cães em fuga de um laboratório experimental contam uma história comovente que convida a todos a se descobrirem nela. A história negra continua se repetindo em grande e pequena escala, e isso deve ser transmitido musicalmente, bem como visualmente. Melodias pesadas de guitarra e violoncelo criam uma harmonia temporária, que é exatamente no momento certo e novamente destruída por grunhidos bestiais.

TC 17:O que é mais latente no som da banda?Post Metal ou Dark Metal ou nenhum deles?

Simon Öller:No começo, você podia ouvir tanto punk quanto pós-metal em nossa música. Agora eu diria que se desenvolveu mais em direção ao Dark Metal. As diferentes influências de cada músico tornam o som único de Anderwelt.

TC 18:Mandem uma mensagem aos fãs,pessoal!A Entrevista acabou!

Simon Öller:Obrigado Felipe pelas suas perguntas interessantes, tudo de bom!
Siga-nos:https://www.facebook.com/anderweltband
https://www.instagram.com/anderwelt_official/
https://anderwelt.bandcamp.com/album/2084
https://www.facebook.com/electricfirerecords
https://www.facebook.com/ChatNoirAgency

Publicado por Lipetempestade

Uma pessoa de personalidade forte mas disciplinadora e exigente

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Guilherme Angra

Escritor e Psicanalista

UNDERGROUND N' PROUD

THE BEST OF THE ROCK AND METAL UNDERGROUND!

THE HEADBANGING MOOSE

PURE F****N' METAL!

Rock Out Stand Out

The go to place for all the latest in rock and metal music!

The Metal Wanderlust

Metal, Metal, and maybe even some more Metal!

The Metal Gamer

Where the world of metal and gaming becomes one

Seja Bem Vindo

Meu Canal de Vendas

Tempestade Conservadora

Atitude,Esporte e Espiritualidade

Coeficiente

Textos Acadêmicos, Resenha de Livros e Discos

Discover

A daily selection of the best content published on WordPress, collected for you by humans who love to read.

Faiock Estúdio

Edição de vídeos, jingles, dublagem, conteúdo, animação etc

ESTERILTIPO

Resenha de discos de Rock & Metal

HeavyMetalToTheWord

Propagando o Rock e o Metal na sua verdadeira essência..!!

Blog da Jor72

Blog de 'Jornalismo Online' da Faculdades Cearenses (FAC) 2020.2

Cinemarcoblog

Cinema, séries e memórias de um cinéfilo.

%d blogueiros gostam disto: