Entrevista 782 com a Banda Holandesa Buried


Orgulhosamente, A Tempestade Conservadora chega em sua entrevista 782 com a banda holandesa Buried. A banda mostra para nós seu álbum de estreia intitulado Oculus Rot. A banda tem esta formação: Joel Sta no Vocal, Steve na Guitarra, Worm no Baixo e Robbe V na Bateria. 90% da banda tocou na Pyaemia,banda histórica de metal extremo que tocou junta até 2005. Mas seria uma ilusão pensar que Buried seria uma Pyaemia repaginada. Fizeram questão de deixar isso claro em outras entrevistas feitas e para nós também ficou bem claro. Nessa entrevista, o vocalista fala sobre isso e outros assuntos relacionados à música e ao próprio Enterrado. Acompanhe nossa conversa em todas as suas emoções. Mas antes disso, sua música.

TC 1: Alguns dos membros vieram da banda Pyaemia. É possível fazer comparações entre Pyaemia e Buried?

Joel Sta:Oi Felipe, Joel aqui. Como um desses três membros, posso dizer que seria quase impossível não fazer algumas comparações. No entanto, é Steve, nosso guitarrista que cria as músicas e seu estilo é muito diferente de onde viemos. E é algo com o qual estamos muito felizes porque a última coisa que queremos é uma versão inferior de uma banda da qual as pessoas ainda falam com carinho. Veja, em nossa biografia, falamos sobre enterrar Pyaemia e começar com algo novo. Isso é claramente um trocadilho divertido para que o mundo saiba que estamos focando em algo diferente agora. A pyaemia não vai ressuscitar mais, mas isso não significa que não possamos ainda criar músicas inspiradas e furiosas. Esperançosamente, as pessoas reconhecerão que cada estilo musical individual se encaixa em nossa nova banda.

TC 2:Que temas foram usados para a composição do Oculus Rot?

Joel:Acho que foi Steve quem surgiu com o conceito de Oculus Rot e não é que construamos um álbum completo em torno dele, mas em termos de temas líricos, todos eles estão de alguma forma conectados com o que esse título trata. Nossos medos mais sombrios e os percalços da humanidade em geral, misturados com um pouco de sangue coagulado aqui e ali. Não é nada que já não tenha sido dito mil vezes, mas é uma grande parte do que o death metal é para mim. Em termos de música, acho que só queríamos criar algo que adoraríamos ouvir, implacável, mas ainda com uma boa estrutura musical. Material real para bater cabeça.

TC 3:Um dos Buried disse que em 2005, após o fim do Pyaemia, vocês continuaram a criar música em outros projetos. Você poderia dizer que bandas seriam essas?

Joel:Além de algumas improvisações com amigos, eu era e ainda sou ativo em Arsebreed, lançamos um novo álbum pela Brutal Mind Records em novembro do ano passado chamado ‘Butoh’, confira! Robbe começou a tocar com Steve antes de eu me juntar a eles em 2013 e 2017, nos reunimos com o Worm no baixo.

TC 4:No meio do processo do álbum, houve pessoas que pensaram que Buried seria uma continuação de Pyaemia?

Joel:Sempre haverá pessoas esperando que Pyaemia volte, mas nós não vamos. Estamos muito gratos por todo o amor que Pyaemia tem recebido ao longo dos anos, mas agora estamos totalmente focados em Buried, recebemos ótimas críticas desde o lançamento e estamos muito satisfeitos com isso! É bom saber que as pessoas gostam do que fazemos aqui. E para quem não gosta, há muitas outras bandas para gostar.

TC 5:Como a banda chega na Brutal Mind?

Joel:Com o Arsebreed também assinamos com o Brutal Mind e eu já estava em contato com o Deni que comanda o Brutal Mind. Ele é um cara incrivelmente legal que trabalha duro para conseguir a atenção de todas as bandas de sua gravadora. Não sou um cara grande de mídia social, mas reconheço totalmente o fato de que pode te ajudar de uma forma tremenda em termos de exposição. Eles fazem todas essas coisas e muito mais por puro amor à música extrema. Estamos muito felizes com a BM e com Arsebreed e Disavowed em sua lista, temos novamente uma forte aliança holandesa.

TC 6:Suffocation, Revocation and Decapitated são as grandes influências da banda. Qual dos três seria a melhor influência e por quê?

Joel:Nosso guitarrista Steve vem de uma formação musical um pouco diferente, o que dá muito sabor ao nosso estilo, eu acho. Nós dois gostamos muito da ferocidade de Revocation combinada com os riffs stop-go que Decapitated exibe em seus últimos álbuns. Acho que ele combina muito bem essas influências com seu estilo.

TC 7:Qual é a ideia por trás da obra de arte?

Joel:Bem, gostamos do fato de que algo moderno como o Oculus Rift poderia ser usado como mostrado na arte. Um homem sentado em uma cadeira imaginária de pesadelo vendo todas essas imagens horríveis sobre si mesmo. Ele não consegue se mover e é basicamente forçado a suportar tudo, hmm,é meio como a cena final de ‘A Clockwork Orange’, pensando bem. Nosso bom amigo John Douglas fez um trabalho maravilhoso capturando nossas ideias e criou uma peça matadora com uma abordagem de ilustração em quadrinhos de terror dos anos 50 que nós realmente gostamos!{Nota da TC:A Clockwork Orange seria o filme Laranja Mecânica}

TC 8:A banda sente diferenças entre lírico e som em Tenebrous e agora em Oculus Rot?

Joel:Nosso Tenebrous EP foi feito relativamente logo depois que eu entrei na banda e serviu como uma espécie de oportunidade para ver o que poderíamos fazer em termos de música e som. Isso também nos deu um bastão para atingir os locais para conseguir algum show. Depois disso, começamos a desenvolver mais o que queríamos fazer, o que no final resulta no que todos sentimos que representa Enterrado como achamos que deveria. Levamos um bom tempo para fazer isso e às vezes tínhamos discussões sobre isso, mas no final, acho que criamos uma forma de fazer música que nos deixa felizes. Agora temos cerca de 4 novas canções sendo feitas, então nosso próximo álbum provavelmente não levará mais 7 anos para ser criado.

TC 9:Que tipo de assunto nunca vai merecer uma música do Buried?

Joel:Não há realmente uma mensagem em nossas letras, ela é apenas usada como uma narrativa para a música brutal. Nesse sentido, nunca haveria lugar para tópicos políticos em nossas letras.

TC 10:Alguns dos Buried disseram que a banda tem novas abordagens e que não esperamos uma versão 2.0 do Pyaemia. Algo que eu fiquei feliz, porque eu não queria isso. A questão é. Quais seriam essas novas abordagens?

Joel:Isso é legal de ouvir, mas você sabe, nós nem mesmo olhamos para isso dessa forma. Eu entendo que vem à mente das pessoas, mas isso é algo diferente. Além do fato de que a estrutura principal foi configurada por Steve, na verdade trabalhamos muito juntos entre nós quatro para torná-la algo de que todos gostamos, eu acho. Espero que no final as pessoas possam apreciar Buried sem ter Pyaemia na nuca.

TC 11:Qual foi o primeiro single lançado pela sua gravadora? Essa escolha foi feita pela própria gravadora ou a banda sugeriu a escolha?

Joel:A gente sugeriu e o Deni da BM gostou também. É a música de abertura do álbum e bate do início ao fim. Acho que é uma boa introdução sobre quem somos.

TC 12:A banda acha que esse álbum é conceitual? sim ou não e por quê?

Joel:Bem, como afirmado antes, um pouco sim. Acho que os temas líricos e a arte se misturaram muito bem, mas não foi um plano bem pensado para ser honesto.

TC 13:Antes da música, o que as bandas gostam de fazer?

Joel:Todos nós somos um pouco mais velhos e, como a maioria de nós tem famílias com crianças, gostamos de ficar com eles. Todos nós amamos sair com amigos, beber cerveja e ouvir boa música. Esperançosamente, poderemos tocar ao vivo novamente em um futuro próximo, nós perdemos isso como tenho certeza que todo mundo perdeu!

TC 14:Qual banda de metal você gosta, mas que tem um estilo totalmente diferente do Buried?

Joel:Oh, eu ouvirei qualquer coisa que seja boa, variando de metal a clássico, pós-rock a música eletrônica, ambiente e assim por diante. Atualmente estou ouvindo muito Emma Ruth Rundle, Marriages, Max Richter, Molassess, DIIV, Drab Majesty, Tangent, Deafheaven, Gatecreeper, Crippled Black Phoenix e Oranssi Pazuzu. Em termos de novo metal que descobri, gosto muito de Vulnere e Revulsion. E, claro, o novo Disavowed ainda arrasa!

TC 15:Uma mensagem aos fãs,pessoal.A Entrevista acabou!

Joel:Se você ainda não ouviu falar de nós, verifique-nos e dê sua opinião! Para todos os que nos apoiaram, muito obrigado! O álbum e os produtos estão à venda em brutal-mind.com e na Europa aqui: brutalmind-eu.com Espero ver todos vocês num show de verdade em breve!

Publicado por Lipetempestade

Uma pessoa de personalidade forte mas disciplinadora e exigente

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Guilherme Angra

Escritor e Psicoterapeuta

UNDERGROUND N' PROUD

THE BEST OF THE ROCK AND METAL UNDERGROUND!

THE HEADBANGING MOOSE

PURE F****N' METAL!

Rock Out Stand Out

The go to place for all the latest in rock and metal music!

The Metal Wanderlust

Metal, Metal, and maybe even some more Metal!

The Metal Gamer

Where the world of metal and gaming becomes one

MAGAZINEANV

DIVULGUE PRODUTOS DO

Tempestade Conservadora

Atitude,Esporte e Espiritualidade

BlueNote Blog

CARTAS PRA NINGUÉM

Discover

A daily selection of the best content published on WordPress, collected for you by humans who love to read.

Faiock Estúdio

Edição de vídeos, jingles, dublagem, conteúdo, animação etc

HeavyMetalToTheWord

Propagando o Rock e o Metal na sua verdadeira essência..!!

Blog da Jor72

Blog de 'Jornalismo Online' da Faculdades Cearenses (FAC) 2020.2

Cinemarcoblog

Cinema, séries e memórias de um cinéfilo.

Metal Viewer

Kleine Bands werden hier groß geschrieben.

%d blogueiros gostam disto: